O olhar da ciência da informação sobre o laboratório de aplicações de vídeo digital

Autores

Sinopse

No presente livro compartilhamos a experiência de aplicação de um modelo teórico a um campo de pesquisa.

E a escolha desse campo não poderia ter mais adequada, pois o LAVID representa um campo de excelência dentre os vários laboratórios de alto nível em atividade na Universidade Federal da Paraíba. Nele, os níveis de atuação universitária de ensino ‒ pesquisa ‒ extensão estão muito bem representados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emy Pôrto Bezerra, UFCG

Professor Adjunto III do curso de Comunicação Social (Educomunicação) da Unidade Acadêmica de Arte e Mídia, além de vice coordenador da CEAD (Coordenação de Educação a Distância) da Universidade Federal de Campina Grande - UFCG.

Isa Maria Freire, UFPB

Professora associada do Departamento de Ciência da Informação e docente permanente no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

AGAMBEN, G. Qué es un dispositivo? Roma: [s.n], 2006. Disponível em: http://ayp.unia.es/r08/IMG/pdf/agamben-dispositivo.pdf. Acesso em: 15 abr. 2016.

ALVES, C. A. O estilo do processo de informação gerado no ambiente de uma universidade pública: contribuição para a definição da cultura informacional. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Departamento de Ciência da Informação, João Pessoa, Universidade Federal da Paraíba, 2014a. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/3961. Acesso em: 10 abr. 2016.

ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. 20. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994b.

ARAÚJO, C. A. A. Fundamentos da Ciência da Informação: correntes teóricas e o conceito de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v.4, n. 1, p. 57-79, jan./jun. 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/19120. Acesso em: 30 set. 2015.

ARAÚJO, E. A. A Construção Social da Informação. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 5, out. 2001. Disponível em: https://brapci.inf.br/_repositorio/2010/01/pdf_07d2e0408e_0007452.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

ARAÚJO, E. A. Equação do impacto informacional: uma proposta paradigmática. 2003. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação – ENANCIB. 5., Belo Horizonte. Anais [...]. Escola de Ciência da Informação: UFMG, 2003. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/venancib/paper/viewFile/2125/1260. Acesso em: 18 jun. 2020.

ARAÚJO, E. A. Geração, mediação e uso de informação: uma proposta de modelo teórico. 2005. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (ENANCIB), 6., Anais [...] Florianópolis: UFSC. 2005. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/vienancib/paper/viewFile/1767/908. Acesso em: 16 out. 2018.

ARAÚJO, V. M. R. H. de. Sistemas de recuperação da informação: nova abordagem teórico conceitual. 1994. Tese (Doutorado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70: Lisboa, 1979.

BARRETO, A. A. A condição da Informação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 67-74, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000300010. Acesso em: 26 maio 2020.

BERTEN, A. Filosofia Social: a responsabilidade social do filósofo. São Paulo: Ed. Paulus, 2004.

BEZERRA, E. P. Ações de informação no laboratório de aplicações de vídeo digital da universidade federal da paraíba: uma visão a partir do conceito de regime de informação. 2018. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal da Paraíba, 2018.

BEZERRA, E. P. Digitalizando o virtual: uma Análise Informacional do Processo de implementação da Biblioteca Digital Paulo Freire. 2003. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2003.

BEZERRA, E. P. et al. Regime de informação: abordagens conceituais e aplicações práticas. Em Questão, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 60-86, maio/ago. 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/57935/37087. Acesso em: 1 jun. 2020.

BEZERRA, E. P.; PINHO, J. A. S. Sobre a contribuição conceitual da inteligência coletiva ao regime de informação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 21, n. 46, p. 154-164, mai./ago., 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2016v21n46p154/31608. Acesso em: 18 jun. 2020.

BONFIM, A. C. F. Habermas: trabalho, linguagem e forma de vida humana. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 25., 2002, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPED, 2002. Disponível em: http://25reuniao.anped.org.br/tp25.htm#gt9. Acesso em: 16 out. 2018.

BEZERRA, E. P.; GUIMARÃES, Í.; SILVA, Z. C. G. Análise da ação de informação relacional no LAVID da UFBP. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 15., 2014, Belo Horizonte, Anais [...]. Belo Horizonte: ANCIB, 2014. p. 4212-4218. Disponível em: http://200.20.0.78/repositorios/handle/123456789/3212?show=full. Acesso em: jun. 2020.

BLACKBURN, S. Dicionário Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar Ltda., 1997.

BLOCH, M. Apologie pour l´histoire ou le métier d’historien. Paris: A Colin, 1941.

BOLTANSKI, L.; THÉVENOT, L. The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory, Paris, v. 2, n. 3, 1999. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/136843199002003010. Acesso em: 1 jun. 2020.

BORKO, H. Information science: what is this? American Documentation, v. 19, p. 3-5, 1968. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/asi.5090190103. Acesso em: 26 maio 2020.

BRASILEIRO, F. S. O processo de mediação no contexto regime de informação: a construção de um espaço virtual de comunicação na Web para a CPAD/UFPB. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

BRAMAN, S. Defining information policy. Journal of information policy, [s.l.], v. 1, p. 1-5, 2011. Disponível em: http://people.tamu.edu/~braman/bramanpdfs/38_defininginfopolicy.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

BRAMAN, S. The emergent global information policy regime. In: BRAMAN, S. (ed.). The emergent global information policy regime. Hampshire: Palgrave, 2004. Cap. 2, p. 12-37. Disponível em: people.tamu.edu/~braman/bramanpdfs/022_emergentregime.pdf. Acesso em: 16 out. 2016.

BRASIL. Decreto nº 8.180, de 30 de dezembro de 2013. Decreto de Lei. Brasília, DF, dez. 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/D8180.htm. Acesso em: 15 ago. 2017.

BRASIL. Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012. Decreto de Lei. Brasília, DF, maio. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7724.htm. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. (Arquivo Nacional).

BRASIL Lei 12.527 de 2012. Lei de Acesso à Informação. Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 8 nov. 2017.

BROOKES, B. C. The foundation of Information Science. Journal of Information Science, [s.l.], v. 2, Part I, p. 125-133, 1980. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/016555158000200302. Acesso em: 15 abr. 2015.

BUNGE, M. Epistemologia: curso de atualização. 2. ed. São Paulo: Queiroz Ed., 1980.

BUSH, V. As We May Think. The Atlantic Monthly, Boston, p. 112-124, 1945. Disponível em: http://worrydream.com/refs/Bush%20-%20As%20We%20May%20Think%20(Life%20Magazine%209-10-1945).pdf. Acesso em: 29 jun. 2020. (Texto condensado).

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., Belo Horizonte, Anais [...]. Belo Horizonte: ANCIB, 2003. Disponível em: www.capurro.de/enancib_p.htm. Acesso em: 23 set. 2016.

CARVALHO, A. M. A. de. Conformação de um regime de informação: a experiência do arranjo produtivo local de eletrônica de Santa Rita do Sapucaí. 2009. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Belo Horizonte, Minas Gerais, 2009. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp122898.pdf. Acesso em 1 jun. 2020.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et. al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. Cap. 6, p. 295-316.

CHASIN, J. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica. São Paulo: Ensaio, 1995.

CHIOVENDA, G. Instituições de Direito Processual Civil. Bookseller: Campinas, 1998, v. 1.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2003.

COLLINS, H. M.; KUSH, M. The shape of actions: what humans and machines can do. Cambridge, Mass: MIT Press, 1999.

DELAIA, C. R. Subsídios para uma política de gestão da informação na EMBRAPA solos. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2008. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/339103. Acesso em: 1 jun. 2020.

DELAIA, C. R.; FREIRE, I. Subsídios para uma política de gestão da informação da Embrapa Solos: à luz do regime de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 107-130, set./dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pci/v15n3/07.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

DOMINGUES, I. (org.). Conhecimento e transdisciplinaridade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

DUARTE, E. N.; LIRA, S. L.; LIRA, W. S. Gestão do Conhecimento: origem, evolução, conceitos e ações. In: DUARTE, E. M. et al. (org.). Da informação à auditoria do conhecimento: a base para a Inteligência Organizacional. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. Cap. 1, p. 269-308.

EKBIA, H.; EVANS, T. Regimes of information: Land use, management, and policy. The Information Society, [s.l.], v. 25, n. 5, p. 328-343, 2009. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01972240903212789. Acesso em: 1 jun. 2020.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOSKETT, A. C. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono; Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1973.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para a Internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

FRANCELIN, M. M. Espaços de Significação. Ponto de Acesso, Salvador, v. 6, n. 1, p. 75-91, 2012. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4981. Acesso em: 10 abr. 2015.

FREIRE, G. H. Ética da informação: conceitos, abordagens, aplicações. João Pessoa: Idea, 2010.

FREIRE, I. M. Acesso à informação e identidade cultural: entre o global e o local. Ciência Informação, Brasília, v. 35, n. 2, p. 58-67, maio/ago. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652006000200007. Acesso em: 1 jun. 2020.

FREIRE, I. M. A responsabilidade social da ciência da informação e/ou o olhar da consciência possível sobre o campo científico. 2001. Tese (Doutorado Ciência da Informação). Rio de Janeiro: UFRJ: IBICT, 2001.

FREIRE, I. M. O olhar da consciência possível sobre o campo científico. Ciência Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 50-59, abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652003000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2020.

FREIRE, I. Rede de comunicação no Regime de Informação do Laboratório de Tecnologias Intelectuais – Lti. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, João Pessoa, v. 11, n. 1, p. 248-257, 2016a. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/pbcib/article/view/29311. Acesso em: 26 maio 2015.

FREIRE, I. Refletindo sobre ações de informação no laboratório de tecnologias intelectuais - Lti. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 21, n. 4, p. 78-96, dez. 2016b. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362016000400078&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jun. 2020.

FREIRE, I; FREIRE, G. H. Ações de Informação para educação e trabalho no Laboratório de Tecnologias Intelectuais – Lti. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16., 2015, João Pessoa. Anais [...] João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/enancib2015/enancib2015/paper/view/2661. Acesso em: 26 maio 2016.

FREIRE, I. M.; FREIRE, G. H. Ações de informação para o ensino médio no laboratório de tecnologias intelectuais - LTi. MPGOA, João Pessoa, v. 2, n. 1, p. 123-137, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/mpgoa/article/view/16789/9738. Acesso em: 1 jun. 2020.

FREIRE, I. M.; FREIRE, G. H. Uma abordagem das ações de mediação no Laboratório de
Tecnologias Intelectuais – LTi. Ciência da Informação, Brasília, v. 43 n. 2, p. 272-283, maio/ago. 2014. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1409. Acesso em: 20 jun. 2020.

FROHMANN, B. Talking information policy beyond information science: applying the actor network theory. In: PROCEEDINGS OF THE 23RD ANNUAL CONFERENCE OF THE CANADIAN ASSOCIATION FOR INFORMATION SCIENCE. 23., Edmonton, Anais […]. Edmonton: Alberta, June, p. 7-10, 1995. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.521.6657&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 10 dez. 2015.

GAUTHIER, B. (org.). Recherche sociale: de la problematique à la collegte des données. Québec: Presses de Université du Québec, 1984.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 2003.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. As ciências sociais e as questões da informação. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas, [s.l.], ano 9, n. 14, 2009. Disponível em: http://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/117/1/GONZALEZDEGOMEZMORPHEUS2009.pdf. Acesso em: 16 out. 2016.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Da política de informação ao papel da informação na política contemporânea. Revista Internacional de Estudos Políticos, [s.l.], v. 1, n. 1, p. 21-32, 1999b.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Escopo e abrangência da Ciência da Informação e a Pós-Graduação na área: anotações para uma reflexão. Transinformação, Campinas, v. 15, n. 1, p. 31-43, jan./abr. 2003. Disponível em: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/123. Acesso em: 26 maio 2020.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Novos cenários políticos para a informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 1, p. 27-40, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652002000100004. Acesso em: 10 abr. 2015.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Metodologia de pesquisa no campo da Ciência da Informação. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 1 n. 6, dez. 2000. Disponível em: https://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/127/1/GomesDataGramaZero2000.pdf. Acesso em: 6 jul. 2020.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. O caráter seletivo das ações de informação. Informare, [s.l.], v. 5, n. 2. p. 7-31, 1999c. Disponível em: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/126. Acesso em: 10 abr. 2015.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Política e gestão da informação: novos rumos. Ciência da Informação, v. 28, n. 2, 1999a. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651999000200001. Acesso em: 16 out. 2015.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Regime de informação: construção de um conceito. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 22, n. 3, 2012. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/14376. Acesso em: 15 abr. 2015.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N.; CHICANEL, M. A mudança de regimes de informação e as variações tecnológicas. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 9., Anais [...] São Paulo, 2008. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/ixenancib/paper/viewFile/3060/2186. Acesso em: 1 jun. 2020.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996.

KATZ. J. S.; MARTIN, B. R. What is research collaboration? Research Policy, Brighton, v. 26, p. 1-18, 1997. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048733396009171. Acesso em: 26 jun. 2020.

LACORTE, C. V. de C. A validade jurídica do documento digital. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 1078, jun. 2006. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/8524/a-validade-juridica-do-documento-digital. Acesso em: 20 jun. 2020.

LATOUR, B. Reensamblar Lo Social: uma introdución a la teoria del actor-red. Buenos Aires: Manantial, 2008.

LÉVY, P. A conexão planetária. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.

LÉVY, P. Inteligência Coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. EDIÇÕES LOYOLA, São Paulo, Brasil, 1999a.

LIMA, F. de P. A.; RIBEIRO, R. Prefácio à edição brasileira. In: COLLINS, H. M.; KUSH, M. The shape of actions: what humans and machines can do. Cambridge, Mass: MIT Press, 1999. Prefácio.

MAGNANI, M. C. B.; PINHEIRO, M. M. K. “Regime” e “Informação”: a aproximação de dois conceitos e suas aplicações na Ciência da Informação. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, 2011, p. 593-610. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3278. Acesso em: 24 jun. 2020.

MACIEL, A. dos S. O documento eletrônico como meio de prova processual. Âmbito Jurídico, [s.l], set. 2010. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/edicoes/revista-80/o-documento-eletronico-como-meio-de-prova-processual/#_ftn1. Acesso em: 12 jun. 2020.

MARCHIORI, P. Z. A ciência e a gestão da informação: compatibilidades no espaço profissional. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, maio/ago. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-19652002000200008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 maio 2020.

MARCONDES, C. H.; SAYÃO, L. F. Documentos digitais e novas formas de cooperação entre sistemas de informação em C&T. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 42-54, set./dez. 2002. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/947. Acesso em: 29 jun. 2020.

MÁRDERO ARELLANO, Miguel Ángel. Critérios para a preservação digital da informação científica. Brasília: Universidade de Brasília, 2008.

MARTELETO, R. M. Análise de Redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/940. Acesso em: 10 abr. 2015.

MARTINS JUNIOR, P. P.; VASCONCELOS, V. V. A teleologia e a aleatoriedade no estudo das ciências da natureza: sistemas, ontologia e evolução. Revista Internacional Interdisciplinar - INTERthesis, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 316-334, jul./dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2011v8n2p316. Acesso em: 10 jun. 2020.

MAY, T. Pesquisa Social. Porto Alegre: Artemed, 2004.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO, A. Modelos de aprendizagem em ambientes virtuais. Nónio: Universidade do Minho, 2007. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/399/1/Comuni_Modelos_M_O.pdf. Acesso em 10 jun. 2020.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1998.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

NASCIMENTO, A. M. do. Curso de direito processual do trabalho. 16. ed. ampl. atual. São Paulo: Saraiva, 1996.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Grupo: Companhia da Letras, 1995.

OLIVEIRA, M. de. Origens e evolução da Ciência da Informação. In: OLIVEIRA, M. de. Ciência da Informação e Biblioteconomia: novos conteúdos e espaços de atuação. Belo Horizonte: EdUFMG, 2005. Cap. 1, p. 9-28.

OTLET, P. Traité de Documentation: le livre sur le livre: théorie et patique. Bruxeles: Editiones Mundaneum. 1934.

PARREIRAS, F. S. et al. RedeCI: colaboração e produção científica em ciência da informação no Brasil. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 11 n. 3, p. 302-317, set./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362006000300002. Acesso em: 10 jun. 2020.

PINHEIRO, M. M. K. Estado informacional implicações para as políticas de informação e de inteligência no limiar do século XXI. Varia História, Belo Horizonte, v. 28, n. 47, p. 61-77, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-87752012000100004. Acesso em: 10 jun. 2020.

POBLACIÓN, D. A. (org.). Redes sociais e colaborativas em informação científica. São Paulo: Angellara, 2009.

POPPER, K. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Pensamento-Cultrix, 1972.

RABELLO, R. A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Informação. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estatual Paulista, Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Marília, 2009. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/103372. Acesso em: 24 jun. 2020.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA - RNP. Nossa história. [2019]. Disponível em: https://www.rnp.br/sobre/nossa-historia. Acesso em: 7 jul. 2020.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. S. Paulo: Atlas, 1999.

RIBEIRO, R.; COLLINS, H. The Bread-Making Machine: Tacit Knowledge and Two Types of Action. Organization Studies, [s.l], v. 28, n. 9, 1417-1433, 2007. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0170840607082228. Acesso em: 22 jun. 2020.

ROSENFELD, L.; MORVILLE, P. Information Architecture for the Word Wide Web. 3. ed. Sebastopol: O'Reilly, 2006.

SARACEVIC, T. Ciência da Informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação. Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235. Acesso em: 26 maio 2020.

SILVA, E. M. A influência das políticas de informação científica e tecnológica para as bibliotecas universitárias. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Departamento Ciência da Informação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009. Disponível em: http://eprints.rclis.org/14433/1/Dissertação_CI_-EDILENE_MARIA_DA_SILVA.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

SILVA, T. E. Política de Informação na pós-modernidade: reflexões sobre o caso do Brasil. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 8-13, 1991. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/_repositorio/2010/12/pdf_55cc575a2c_0013996.pdf. Acesso em: 10 abr. 2015.

TOMAÉL, M. I. Redes sociais, conhecimento e informação localizada. Informação & Informação, Londrina, v. 12, n. esp., 2007. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1782. Acesso em: 10 abr. 2015.

TREMBLAY, M. A. Iniciation à la recherche dans les sciences humaines. Montreal: McGraw-Hill, 1968.

UNGER, R. J. G.; FREIRE, I. M. Regimes de informação na sociedade da informação: uma contribuição para a gestão de informação. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 4, n. 1, p. 87-114, jan./jun. 2008. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/2014. Acesso em: 1 jun. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Consuni. Resolução 28 de 2011. Cria o Núcleo de Pesquisa e Extensão em Aplicações de Vídeo Digital-LAVID, vinculado ao Centro de Informática, Campus I da UFPB e aprova seu Regulamento. Ago. 2011.

VANZ, S. A. S. As redes de colaboração científica no Brasil (2004-2006). 2009. 204 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2009.

WERSIG, G. Information science: the study of postmodern knowledge usage. Information Processing& Management, [s.l], v. 29, n. 2, 1993.

WIKIPÉDIA. Ginga (middleware). 2017. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ginga_(middleware). Acesso em: 10 abr. 2017.

WOIDA, L. M. Cultura informacional voltada para à inteligência competitiva organizacional no setor de calçados de São Paulo. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista: Faculdade de Filosofia e Ciência, São Paulo, 2008. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/93619. Acesso em: 16 jun. 2020.

WOIDA, L. M.; VALENTIM, M. L. P. Cultura organizacional/cultura informacional: a base do processo de inteligência competitiva. In: VALENTIM, M. L. P. et al. Informação, conhecimento e inteligência organizacional. Marília: FUNDEPE Editora, 2006. p. 25-43.
Capa para O olhar da ciência da informação sobre o laboratório de aplicações de vídeo digital
Publicado
dezembro 7, 2020

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)
978-65-5942-026-1