Gestão do Conhecimento nos Currículos dos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Brasil e Espanha

Autores

Rosilene Agapito da Silva Llarena
Emeide Nóbrega Duarte
Universidade Federal da Paraíba
https://orcid.org/0000-0003-2446-3125

Sinopse

O manuscrito é fruto de pesquisa pós-doutoral no PPGCI/UFPB com a colaboração da Universidad de Zaragoza - Espanha, sob a supervisão da professora Drª. Emeide Nóbrega Duarte. Trata de estudos sobre os currículos educacionail voltados para a Gestão do Conhecimento nos cursos de Pós-Graduação em CiÊncia da Informação ou relacionados, no Brasil e Espanha. Mapeia e analisa as disciplinas voltadas para a Gestão do Conhecimento nos Programas dos dois países e apresenta um panorama das ementas e conteúdos estudados. Apresenta breve análise das produções científicas dos professores envolvidos nas disciplinas volatadas para a Gestão do Conhecimento ofertadas pelos Programas dos dois países e estabelece um estudo comparativo sobre os dados coletados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosilene Agapito da Silva Llarena

Professora Visitante do PPGCI e do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas. Pós-doutorado em Ciência da Informação pelo PPGCI/UFPB. Doutora pela mesma instituição com estágio de doutoramento pela Universidad de Zaragoza - España. Mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI/UFPB. Especialista em Orientação Educacional e Supervisão Escolar pelo PPGE/UFPB. Bacharel em Biblioteconomia pelo DCI/UFPB. Graduada em Pedagogia pelo CE/UFPB. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Gestão da Informação, Aprendizagem e Conhecimento (GIACO)/UFPB. Pesquisadora do Observatório de Estudos Interdisciplinares da Informação (OBSERVINTER)/UFAL.

Emeide Nóbrega Duarte, Universidade Federal da Paraíba

Professora do nível titular da Universidade Federal da Paraíba. Realizou Pós-doutorado em Ciência da Informação na UNESP - Marília. Doutorado em Administração e Mestrado em Biblioteconomia realizados na UFPB. Possui curso de graduação em Biblioteconomia pela UFPB. Curso de Especialização em Documentação Científica realizado na UFRJ/IBBD. Curso de especialização em Organização e Administração de Arquivos realizado na UFPB. Credenciada no PPGCI da UFPB . Membro do comitê interno de pesquisa (PIBIC/PIVIC/PRPG) da UFPB, durante o período de 2014 a 2016. Coordenadora do GT4 do ENANCIB - 2013 e 2014. Vice- coordenadora do GT4 do ENANCIB - 2017\18. Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq "Informação, Aprendizagem e Conhecimento" (GIACO).

 

Referências

ALANI, M.; LEIDENER, D. Knowledge management systems: issues, challengesand benefits. Communications of the Association for Information Systems. Vol. 1. Atlanta: Association for Information Systems, 1999. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2020.

ALLEE, V. The Knowledge evolution: expanding organizational intelligence. Boston: Butterworth-Heinemann, 1997.

ALENCASTRO VEIGA I. P. Formação de professores para a Educação Superior e a diversidade da docência. Ver. Diálogo Educ. 2014; n. 14 v.42, p.327-42.

ALÓS-MONER, A. Gestión de la información y del conocimiento – 10 años después en gestión del conocimiento: lecciones aprendidas. Anuário Think EPI, 2007, pp. 134-137.

ALONSO ARÉVALO, J. Gestión de la Información, gestión de contenidos y conocimiento. II Jornadas de trabajo del Grupo SIOU. Salamanca, 2007.
ÁLVARES, L.; BAPTISTA, S. G.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. Gestão do conhecimento: categorização conceitual. Em Questão, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 235 - 252, jul./dez. 2010.

ÁLVARES, L. M. A. R. et al. Interfaces disciplinares selecionadas da gestão do conhecimento: características, contribuições e reflexões. Em Questão, v. 26, n. 2, p. 132-160, 2020.

ALVARENGA NETO, R.C.D. Gestão do conhecimento em organizações: proposta de mapeamento conceitual interativo, estudo de múltiplos casos. 2005. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.
ANDRADE, R. L. L.; MELO FILHO, E. T.; ANDRADE, W. O. Informação e Conhecimento no Campo Científico da Ciência da Informação. Ci. Inf. Rev., Maceió, v. 1, n. 2, p. 20-27, maio/ago. 2014.
ANGELONI, M. T. (Org.). Organizações do conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologias. São Paulo: Saraiva, 2002.
ANTUNES, F. R., NORONHA, P. H. B.; GARCES, S. B. B. Os desafios da organização curricular no ensino superior a partir do contexto da modernidade líquida. Anais. 2018. Disponível em: https://editora.pucrs.br/acessolivre/anais/cidu/assets/edicoes/2018/arquivos/158.pdf. Acesso em: 14 jul. 2020.
ARANHA, M. L. A. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1996.

ARAÚJO, C. A. Á. Correntes Teóricas da Ciência da Informação. Ci. Inf., Brasília, DF, v. 38, n. 3, p.192-204, set./dez., 2009.

ARAÚJO, C. A. Á. Fundamentos da Ciência da Informação: correntes teóricas e o conceito de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. João Pessoa, v.4, n.1, p.57-79, jan./jun. 2014.

ARROYO, M. G. Indagações sobre o currículo: educandos e educadores – seus direitos e o currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BAIR, J.; STEAR, E. Information management is not knowledge management. Gartner Group Research Note, 1997.
BARRADAS, J. S. Gestão do conhecimento: a produção científica em periódicos brasileiros entre 1997 e 2006. Inf. & Soc.: Estudos. João Pessoa, v.18, n.1, p.183-194, jan./abr.2008.
BARRADAS, J. S.; CAMPOS FILHO, L. A. N. Levantamento de tendências em gestão do conhecimento no Brasil: análise de conteúdo da opinião de especialistas brasileiros. Perspectivas em Ciência da Informação, v.15, n.3, p.131-154, set./dez. 2010.

BARBOSA, R. R. Gestão da Informação e do Conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, Londrina, v. 13, n. , p.1-25, 2008. Número Especial.
BARCLAY, R. O; MURRAY, P. What is knowledge management. Knowledge Praxis: a publication about managing knowledge. 1997. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.
BESSEN, F.; VIEIRA, W.; BONILLA, M. A.; SANTOS, N. Gestão do conhecimento e fator crítico de sucesso. IX Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. Anais... 2012. Disponível em: http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/32/2012_32_4868.pdf. Acesso em: 26 mai. 2020.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
BUKOWITZ, W. R.; WILLIAMS, R. L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002.

BETTENCOURT, M. P.; CIANCONI, R. Gestão do Conhecimento: um olhar sob a perspectiva da Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 13, 2012. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, ANCIB, 2012.

BRASIL. MEC. Resolução CNE/CES nº 19, de 13 de março de 2002 - Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Biblioteconomia.

BRASIL. MEC. Resolução CNE/CES nº 20, de 13 de março de 2002 - Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Arquivologia.

BRASIL. MEC. Resolução CNE/CES nº 21, de 13 de março de 2002 - Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Museologia.

BRASIL. MEC. Parecer CNE/CES nº 492/2001, aprovado em 3 de abril de 2001 - Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia, Ciências Sociais - Antropologia, Ciência Política e Sociologia, Comunicação Social, Filosofia, Geografia, História, Letras, Museologia e Serviço Social.

BRASIL. MEC. Parecer CNE/CES nº 1.363/2001, aprovado em 12 de dezembro de 2001 - Retifica o Parecer CNE/CES n.º 492, de 3 de abril de 2001, que aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia, Ciências Sociais - Antropologia, Ciência Política e Sociologia, Comunicação Social, Filosofia, Geografia, História, Letras, Museologia e Serviço Social.

BRASIL. MEC. Plano Nacional de Educação (PNL) – Lei nº. 13.005/2014 - Aprova o PNL e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm Acesso em: 14 jul. 2020.

BROWN, J. S.; COLLINS, A.; DUGUID, P. Situated learning and the culture of learning. Educational Researcher, Washington, DC, v. 18, n. 1, p. 32-42, 1989.

BROWN, J. S.; DUGUID, P. A Vida social da informação. São Paulo: Makron Books, 2001.

BUSH, V. As we may think. The Atlantic Monthly, Boston, v. 176, n. 1, p. 101-108, July 1945.

CAMPOS, L. F. B. Análise da nova gestão do conhecimento: perspectivas para abordagens críticas. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 104-122, jan./abr. 2007.
CASSIRER, E. El problema del conocimiento en la filosofia y en la ciencia modernas. Tradução de Wenceslao Roces. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 1986.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.
CARVALHO, I. M. de. Estratégias para implantação da gestão do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. Gestão do Conhecimento no Brasil: casos, experiências e práticas de empresas públicas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2008. p. 3-24.

CHARLIER, É. Formar professores profissionais para uma formação contínua articulada à prática. In: PAQUAY, L.; PERRENOUD, P., et al (Org.). Formando professores profissionais: Quais estratégias? Quais competências? 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CHOO, C. W. The Knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge and make decisions. 2. ed. New York: Oxford University Press, 2006.

COLL, C. Psicologia e Currículo. São Paulo: Ática, 1996.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVENPORT, E.; CRONIN, B. Knowledge management: semantic drift or conceptual shift?. Annual Meeting of the Association for Library and Information Science Education, San Antonio, Jan. 2000. Disponível em: http://www.alise.org/nondiscuss/conf00_Davenport-Cronin_paper.htm. Acesso em: 23 mar. 2015.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conocimiento en acción: cómo las organizaciones manejan lo que saben. México: Prentice Hall, 2001.

DIEPSTRATEN, J. Knowledge in action. Dordrecht: Triam, 1996.

DRUCKER, P. F. The age of discontinuity: guidelines to our changing society. New York: Harper and Row, 1969.

DRUCKER, P. F. A Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993.

DUARTE, E. N.; SILVA, A. K. A.; COSTA, S. Q. Gestão da informação e do conhecimento: práticas de empresa “excelente em gestão empresarial” extensivas à unidades de informação. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.17, n.1, p.97-107, jan./abr., 2007.

DUARTE, E. N.; LIRA, S. L.; LIRA, W. S. Gestão do conhecimento: origem, evolução, conceitos e ações. In: DUARTE, E. N.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (Org.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa. Editora UFPB, 2014.

DUARTE, E. N. et al. Gestão da informação e do conhecimento nos currículos dos cursos de biblioteconomia das universidades públicas brasileiras. Ciência da Informação, Brasília, DF, v.45 n.3, p.156-171, set./dez. 2016.

ESTÉBAN NAVARRO, M. Á. La gestión de documentos en las organizaciones y la norma ISSO 15489. In: TRAMULLAS, J. (Coord.). Tendencias en documentación digital. España: Ediciones Trea, S.L., 2006.

ESTEBAN NAVARRO, M. Á.; NAVARRO BONILLA, D. Gestión del conocimiento y servicios de inteligencia: la dimensión estratégica de la información. El profesional de la información, 2003, v. 12, n. 4, pp. 269-281.

EUROPEAN COUNCIL OF INFORMATION ASSOCIATIONS (ECIA). Euro-referencial I-D. Lisboa: INCITE, 2005.

FARIAS, A. R. R. Algumas considerações analíticas sobre a gestão do conhecimento no Brasil. VII CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO. Anais... agosto, 2011. ISSN 1984-9354. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/portals/2/documents/cneg7/anais/t11_0439_2133.pdf. Acesso em: 11 maio 2020.

FELÍCIO, H. M. S.; POSSANI, L. F. P. Análise crítica de currículo: um olhar sobre a prática pedagógica. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 1, p. 129-142, Jan./Abr. 2013. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss1articles/felicio-possani.pdf. Acesso em: 12 jul. 2020.

FIGUEIREDO, G. O.; ORILLO, Y. A. D. Currículo, política e ideología: estudos críticos na educação superior em saúde. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro; n.18, v.1, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tes/v18s1/1678-1007-tes-18-s1-e0024880.pdf. Acesso em: 14 jul. 2020.

FLUXOINFO. [S.L.], 2020. Ciência da Informação. Disponível em: @fluxoinfo. Acesso em: 29 jun. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. À Sombra Desta Mangueira. São Paulo: Olho d’Água, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. A Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler. 40 ed. São Paulo: Cortez, 2003b.

GAUCHI RISSO, V. Aproximación teórica a la relación entre los términos gestión documental, gestión de información y gestión del conocimiento. Revista Española de Documentación Científica, 35, 4, octubre-diciembre, 531-554, 2012.

GARVEY, W. D.; GRIFFITH, B. C. Communication: the essence of the science. Oxford: Pergamon, 1979.

GESSER, V.; RANGHETTI, D. S. O currículo no ensino superior: principios epistemolóricos para um desing contemporâneo. Revista e-curriculum, São Paulo, v.7, n.2, 2011.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GOODSON, I. As políticas de currículo e de escolarização. Petrópolis, Editora vozes, 2008.

GOODSON, I. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, vol.12, n.35, p. 241-252, 2007.

GOREY, R. M.; DOBAT, D, R. Managing in the Knowledge Era. The Systems Thinker, vol.7, n.8, 1996, pp.1-5.

GURTEEN, D. Knowledge, creativity and innovation. Journal of Knowledge Management, London, v. 2, n. 1, p. 5-13, 1998.

HARRIS, K. et al. The Impact of knowledge management on enterprise architecture. Stamford, CT: Gartner Group, 1999.
HAYEK, F. A. The use of knowledge in society. The American Economic Review, Nashville, v. 35, n. 4, p. 519-530, Sep. 1945.

HENRY, N. Knowledge management: a new concern for public administration. Public Administration Review, Washington, v. 34, n. 3, p. 189-196, may/june 1974.

HIBBARD, J. Knowing what we know. Information Week Online, 20 out. 1997. Disponível em: http://www.informationweek.com/653/53iukno.htm;jsessionid=0NRV2YUA142HXQE1GHPCKH4ATMY32JVN. Acesso em: 29 abr. 2020.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S.; LEMOS, C.; LEGEY, L. R. Desafios e oportunidades da era do conhecimento. São Paulo Perspec. v.16, n.3. São Paulo, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010288392002000300009. Acesso em: 07 jul. 2020.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Tradução de Carlos Irineu da Costa. – Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate periperal participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

LEMOS, A. F.; SARAIVA, M. M.; SOUSA, T. D.; GRANGEIRO, R. R. Práticas de Gestão do Conhecimento Atreladas à Aprendizagem Organizacional: um estudo de caso. Revista Gestão em Foco. n. 10, 2018. Disponível em: http://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/018_PR%C3%81TICAS_DE_GEST%C3%83O_DO_CONHECIMENTO.pdf. Acesso em: 09 jul. 2020.

LÉVY, P.; AUTHIER, M. As Árvores do conhecimento. 2. ed. São Paulo: Escuta, 2000.

LIRA, S. L. Modelo de Comunidade de Prática com foco em Gestão do Conhecimento no Ambiente Contábil Público de Universidades Federais Brasileiras. 2019. 257f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.
LLARENA, R. A. S. Gestão do Conhecimento na Rede do Projovem Urbano: modelo baseado nas políticas públicas. 2015. 327f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

LLARENA, R. A. S.; DUARTE, E. N.; ESTEBAN NAVARRO, M. Á. Gestão do conhecimento nas redes dos programas para a juventude: Modelo baseado nas políticas públicas. João Pessoa: Editora UFPB, 2017.

LLARENA, R. A. S.; DUARTE, E. N.; LIRA, S. L; SILVA, A. K. A. Estudo Terminológico do Termo Gestão do Conhecimento. Anais... XVIII ENANCIB. Marília: UNESP, 2017. Disponível em: http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/xviiienancib/ENANCIB/paper/viewFile/610/1194. Acesso em: 02 ago.2019.

LOBO, J. T. Currículo & identidade na educação. Fortaleza: livro técnico, 2005.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação, n. 26, p. 109-118, Maio/Jun /Jul/Ago 2004.

MACKINTOSH, A. Position paper on knowledge asset management. Scotland: Artificial Intelligence Applications Institute, University of Edinburgh, 1996. Disponível em: http://www.aiai.ed.ac.uk/~alm/kam.html. Acesso em: 29 abr. 2020.

MARSICK, V. J.; WATKINS, K. E. Facilitating learning organizations: making learning count. Aldershot: Gower, 1999.

MARTA LAZO, C.; GABELAS BARROSO, J. A.; INIESTA ALEMÁN, I. La gestión del conocimiento en la era cognitiva: los entornos tecnologias de la relación, información y comunicación (TRIC). In: DUARTE, E. N.; SILVA, A. K. A; ESTEBAN NAVARRO, M. Á.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L.; FEITOZA, R. A. B. (Orgs.) Enfoques Multidisciplinares da Gestão do Conhecimento. João Pessoa: Editora UFPB, 2019.
MARTÍN MEJÍAS, P. Gestión de la información y del conocimiento en las organizaciones. In: López Yepes, José. Manual de Ciencias de la Documentación. Madrid: Editorial Pirámide, 2002. Colección “Ozalid”.

MATTOS, A. N. Informação é prata, compreensão é ouro. São Paulo: [s.d.], 2009.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília, DF: Briquet de Lemos Livros, 1999. 268p.

MILAM, J. H. Knowledge Management for Higher Education-ERIC Digest, Clearinghouse on Higher Education: Washington DC, 2001. Disponível em: http://www.eric.ed.gov. Acesso em: 01 maio 2015.

MINAYO, M. C. S. O conceito de representações sociais na sociologia clássica. In: GUARESCHI, P. A.; JOVCHELOVITCH, S. (orgs.). Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 89-112.

MORAES FILHO, I. M.; CARVALHO FILHA, F. S. S.; ALMEIDA, R. J. O currículo no ensino superior: adequações necessárias para o despertar dos egressos. Rev. Cient. Sena Aires. 2017; n. 6, v. 1.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. Campinas: SP, Papirus, 2007.

MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2008.

MORIN, E. O Método 3: o Conhecimento do Conhecimento. Porto Alegre - RS: Editora Sulina, 1999.

MUELLER, S. P. M. Introdução: as questões da comunicação científica e a ciência da informação. In: MUELLER, S. P. M.; PASSOS, E. J. L. (Orgs.). Comunicação científica. Brasília, DF: Departamento de Ciência da Informação da UnB, 2000.
NAKANO, D. N.; FLEURY, A. C. C. Conhecimento Organizacional: uma revisão conceitual de modelos e quadros de referências. Produto & Produção, v. 8, n. 2, p.11-23, 2005.

NONAKA, I.; KONNO, N. The Concept of “Ba”: building a foundation for knowledge creation. California Management Review, Berkerley, v.40, n.3, p.40-54, 1998, Spring.
NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

OLIVEIRA, I. B.; ALVES, N. A pesquisa e a criação de conhecimentos na pós-graduação em educação no Brasil: conversas com Maria Célia Moraes e Acácia Kuenzer. Educação e sociedade, Ago. 2006, v. 27, n. 95, pp. 577-599.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Survey on knowledge management: practices for ministries/departments/agencies of central government in OECD member countries. Paris, 2002. Disponível em: http://www.oecd.org/dataoecd/59/18/1946891.pdf. Acesso em: 09 jul. 2015.

PACHECO, F. F. Gestão do Conhecimento: justificativa, conceito e práticas. Curitiba: PUCPR, 2002.

PACHECO, J. A. Currículo: teoria e prática. Porto - PT: Porto Editora, 1996.

PACHECO, J. A. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 2001.

PANSZA, M. Pedagogía y currículo. Cidade do México: Gernika, 1990.

PAULA, D. R.; CIANCONI, R. B. Práticas de Gestão do Conhecimento: caso dos sítios asociados ao portal corporativo da FIOCRUZ. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 2, p.49-63, maio/ago. 2007.

PENTEADO, Rosângela F.S.; CARVALHO, Hélio G.; PENTEADO, João Guilherme. Práticas de Gestão do Conhecimento presentes em um programa de sugestão empresarial. In: IV Simpósio Acadêmico de Engenharia da Produção. 2008, Viçosa. Anais... Viçosa: UFV, 2008. Disponível em: http://pg.utfpr.edu.br/dirppg/ebook/2008/CONGRESSO/Nacionais/SAEPRO%20-%202008/2.PDF. Acesso em: 11 jul. de 2020.

PEREIRA, M. Z. C.; ALBINO, A. C. A.; MAIA, A. Políticas de Currículo: entrecruzando saberes e contextos. Espaço do Currículo, v.3, n.1, mar./set. 2010.

PEREIRA, C. M. C.; MELO, J. M. S. Currículos e programas. Fortaleza: UAB/IFCE, 2010.

PÉREZ-MONTORO GUTITIÉRREZ, M. Gestión del conocimiento en las organizaciones: fundamentos, metodologia y práxis. España: Ediciones Trea, S. L., 2008.
PETRASH, G. Managing knowledge assets for value. In: KNOWLEDGE-BASED LEADERSHIP CONFERENCE. Boston: Linkage, 1996.
PINTO, S. C. M.; ARANHA, A. F. O currículo como instrumento de coesão social: revisão da teoria e avaliação da prática. Poiésis, Tubarão. Número Especial: Equidade e coesão social na educação superior: problemáticas e perspectivas, p. 216 – 237, 2012.
PLANO NACIONAL DE GRADUAÇÃO. DIRETORIA NACIONAL DE GESTÃO/COORDENAÇÃO REGIONAL/FORGRAD. Plano Nacional de Graduação: um projeto em construção. Ilhéus: FORGRAD, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/png.pdf. Acesso em: 14 jul. 2020.
POLANYI, M. Personal Knowledge. Chicago: Chicago University Press, 1962. Disponível em: https://books.google.es/books?id=NdcnAgAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 09 jul. 2020.

POWELL, T. The value of information. In: POWELL, T. The High tech marketing machine: applying the power of computers to out-smart the competition. Columbus: McGraw-Hill, Probus, 1993.

PRUSAK, L. Where did knowledge management came from? IBM Systems Journal, Armonk, v. 40, n. 4, p. 1002-1007, 2001.

QUINN, J. B.; ANDERSON, P.; FINKELSTEIN, S. Gerenciando o intelecto profissional: extraindo o máximo dos melhores. In: QUINN, J. B.; ANDERSON, P.; FINKELSTEIN, S. Gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RAMALHO, B. L.; NUÑEZ, I. B.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2004.

RIGAL, L. A escola crítico-democrática: uma matéria pendente no limiar do século XXI. In: IBERNON, F. (Org.). A educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Trad. Ernani Rosa. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.
RODRIGUES, B. A hora da Gestão do Conhecimento. Webinsider, 2001. Disponível em: http://webinsider.uol. com.br/2001/10/26/a-hora-da-gestao-do-conhecimento/. Acesso em: 28 maio 2020.
RODRÍGUEZ GÓMES, D. Modelos para la creación y gestión del conocimiento: una aproximación teórica. Educar, n.37, 2006, pp.25-39.
ROWLEY, J. What is knowledge management? Library Management, Bradford, v. 20, n. 8, p. 416-420, 1999.
SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.
SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 2. reimp. São Paulo: EDUSP, 2006.
SAVIANI, N. Currículo: um grande desafio para o professor. Revista de Educação, n. 16. São Paulo: 2003.
SAVIANI, N. Saber escolar, currículo e didática: problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. Campinas-SP: Autores Associados, 2006.
SAZ, M. Á. Gestión del conocimiento: pros y contras. El profesional de la información. v.10, n. 4, abril 2001. Disponível em: http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/2001/abril/2.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.
SCHIABEL, D.; FELÍCIO, H. M. S. (Re) construção do currículo em ação: elementos propiciadores e cerceadores da autonomia do professor. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.16, n.3, p. 831-856 jul./set.2018. Programa de Pós-graduação Educação: Currículo – PUC/SP.
SILVA, L. C. et. al. Panorama dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão do Conhecimento no Brasil. Anais... XIV SEGET. Out./ Nov. 2016. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos17/25925350.pdf. Acesso em: 22 jun. 2019.
SILVA, M. A. História do currículo e currículo como construção histórico-cultural. VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação. Anais... Uberlândia: EDUFU, 2006. V. 1.
SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SNOWDEN, D. Complex acts of knowing: paradox and descriptive self-awareness. Journal of Knowledge Management, v. 6, n. 2, p.100-111, 2002.
SNOWDEN, D. A nova forma de ser simples: a gestão do conhecimento. HSM Management, São Paulo, v. 4, n. 39, p. 98-107, jul./ago. 2003.
SOUZA, A. L. L. O currículo na formação de profissionais para atuarem na sociedade atual em tempos de inovação. In: Didática e prática de ensino na relação com a escola. Livro 1. São Paulo: EdUECE, 2014. Disponível em: http://www.uece.br/endipe2014/ebooks/livro1/342-%20O%20CURR%C3%8DCULO%20NA%20FORMA%C3%87%C3%83O%20DE%20PROFISSIONAIS%20PARA%20ATUAREM%20NA%20SOCIEDADE%20ATUAL%20EM%20TEMPOS%20DE%20INOVA%C3%87%C3%83O.pdf. Acesso em 30 jun. 2020.
SOUZA, E. D.; DIAS, E. J. W.; NASSIF, M. E. A gestão da informação e do conhecimento na ciência da informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.21, n.1, p. 55-70, jan./abr. 2011.
Capa para Gestão do Conhecimento nos Currículos dos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Brasil e Espanha
Publicado
dezembro 18, 2020

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)
978-65-5942-056-8